Mais

Dissolvendo polígonos adjacentes e adicionando atributos


Estou tentando mesclar polígonos adjacentes e ter os atributos adicionados juntos para os recursos mesclados.

A camada é de determinados blocos censitários em um estado (milhares de feições) e eu gostaria de mesclar os blocos censitários adjacentes e agregar os dados populacionais das feições mescladas.

Quando executo a ferramenta de dissolução, posso fazer com que os polígonos adjacentes sejam mesclados, mas os atributos são adicionados para a tabela inteira, em vez de apenas os polígonos mesclados. Existe alguma maneira de adicionar os atributos do recurso para fazer sentido com a nova geometria?

Outra maneira que tentei fazer isso foi usar a camada dissolvida e uni-la espacialmente aos dados populacionais do bloco do censo. Por alguma razão, isso não é preciso, pois os totais da população não são iguais.


Marcar a opção de peça única não faz com que os atributos de cada peça sejam resumidos separadamente. A ferramenta não dá atenção à geometria ao fazer resumos e faz todos os resumos antes de fazer qualquer manipulação da geometria. Portanto, a recomendação de radouxju não resolverá o problema.

Este é o comportamento que espero. Os atributos são resumidos para todo o conjunto de polígonos ou para cada valor de caso único corretamente pela ferramenta, uma vez que a análise estatística deve ser feita primeiro para criar cada agrupamento e, nesse ponto, ela não pode fazer nenhuma suposição de que as partes têm qualquer controle sobre os atributos. A frequência de cada parte é a mesma pelo mesmo motivo, que seria o resultado que eu esperava. O que você deseja tornaria a ferramenta significativamente mais lenta e não é uma etapa lógica do processo, dadas as instruções. Atributos e geometria são normalmente tratados separadamente para velocidade e devem ser tratados em etapas separadas para obter os resultados desejados. Muito poucas ferramentas de geoprocessamento lidam com atributos e geometria de forma confiável se você espera qualquer interação complexa e menos ainda fazem mais do que o mínimo que cada etapa requer, para que o nível mais fino de processamento possa ser combinado com outras etapas de nível fino para obter todos os resultados possíveis. Depois de aceitar que essas são as regras que governam a grande maioria das ferramentas de geoprocessamento, seu comportamento tende a fazer muito mais sentido e você começa a ver como combinar etapas para alcançar todos os resultados possíveis.

O que faço para obter os resultados desejados é um processo de várias etapas. Eu dissolvo todo o conjunto de polígonos ou conjunto de casos exclusivos sem prestar atenção à saída de estatísticas e crio um polígono de várias partes para cada agrupamento de polígonos exclusivo. Eu uso a ferramenta Multipart para Singlepart no resultado (isso é tudo o que desmarcar a opção multipart faz no final da dissolução, então usá-la como uma etapa separada torna isso mais claro). Em seguida, faço uma união espacial dos polígonos originais com os novos polígonos usando a opção Um para muitos com os polígonos originais como destino e os polígonos dissolvidos como união. Se fosse uma dissolução controlada por atributo, eu faria uma seleção por atributo nesta etapa para obter apenas os alvos e unir as partes que correspondiam ao atributo de controle. Então, eu redissolvo o conjunto de polígonos unidos e uso o JoinFID como o caso exclusivo e o TargetFID como o campo de resumo com a opção Primeira (parte única ou parte múltipla não importa agora). Agora, cada parte separada de todo o conjunto de polígonos tem um FID de polígono original que está associado apenas à parte que o continha e uma contagem apenas para a parte que foi criada. Desta forma, as peças e o conjunto de atributos das peças são respeitados.

Enfim, não é um bug. Ele está fazendo o que essa pequena etapa requer e, na verdade, a ferramenta incorporaria todas as etapas que descrevi dentro dela, se desse o resultado desejado. Eu espero um processo mínimo de 4 a 5 etapas toda vez que uso o geoprocessamento para criar uma interação entre os atributos derivados e a geometria derivada.

Pretendo examinar os cursores e dicionários do python da para substituir a ferramenta Dissolve. Acho que, usando essas técnicas de codificação, geralmente posso acelerar todo o processo feito por ferramentas de geoprocessamento por um fator de 5 a 10 vezes a velocidade e evitar a necessidade de produzir saídas intermediárias para obter os resultados que realmente estou procurando. Se eu aparecer com o código de substituição, irei postá-lo.


Presumo que você use ArcGIS.

Você pode usar as estatísticas de soma para os campos (consulte dissolver). Ele calculará a soma do valor do atributo para seus campos numéricos. Certifique-se de selecionar também "single_part" para evitar que partes não contíguas se fundam.


Ampliação múltipla em mapas geográficos ☆

Apresentamos um modelo de zoom, com base em uma abordagem de nível de detalhe (LOD), que visa visualizar sequências de representações gradualmente simplificadas de um determinado mapa geográfico. Descrevemos primeiro um conjunto de primitivas de zoom básicas como transições entre mapas em diferentes LOD. Em seguida, definimos um novo zoom múltiplo primitivos sobre os básicos, e mostram resultados teóricos sobre este novo primitivo com implicações práticas. Por fim, colocamos em prática o modelo teórico proposto e sugerimos a implementação de mapas e primitivas de zoom em termos de Estruturas PLA, um invariante topológico adequado para a inclusão em um ambiente de interação visual baseado em uma abordagem de foco + contexto.


Dissolvendo polígonos adjacentes e adicionando atributos - Sistemas de Informação Geográfica

Você é responsável por todos os materiais de aula desde o início do semestre.

A página inicial do Geog 350 fornece slides em PowerPoint, assim como o site de recursos de livros didáticos

Leitura: Capítulos 1 a 5 e 9 de Longley et. al. 2001, Sistemas de Informação Geográfica e Ciência

UNIDADES 1, 2, 3, 4 e 5 do NCGIA Core Curriculum (também na página inicial do curso) são úteis para organizar suas notas.

Compreenda a estrutura básica e as funções do ARCGIS nos laboratórios. Certifique-se de ter lido os capítulos 1 e 2 do laboratório livro de exercícios Conhecendo o ARCGIS .

Reveja os questionários 1 e 2 algumas perguntas reaparecerão.

GUI (Graphical User Interface): o conjunto de ferramentas visuais e mecânicas por meio das quais um usuário interage com um computador, geralmente consistindo de janelas, menus, ícones e ponteiros (WIMPS)

atributo : Uma entrada numérica que reflete uma medida ou valor para um recurso. Os atributos podem ser rótulos, categorias ou números, podem ser datas, valores padronizados ou campo ou outras medidas. Um item para o qual os dados são coletados e organizados. Uma coluna em uma tabela ou arquivo de dados.

lote : Envio de um conjunto de comandos para o computador a partir de um arquivo, em vez de diretamente do usuário como uma troca interativa.

Squeaky toy : Método de pesquisa que envolve exames repetidos de registros até que um adequado seja encontrado.

coropleto mapa: Um mapa que mostra dados numéricos (mas não simplesmente & quotcontas & quot) para um grupo de regiões (1) classificando os dados em classes e (2) sombreando cada classe no mapa.

calcular: (também recodificar, reclassificar, reclassificar e vários outros termos semelhantes) Comando de gerenciamento de dados que usa os valores numéricos de um ou mais atributos para calcular o valor de um novo atributo criado pelo comando. Em um gerenciador de banco de dados, um comando que permite aritmética básica sobre atributos ou combinações de atributos, como soma, multiplicação e subtração.

dados linguagem de definição : A parte do SGBD que permite ao usuário configurar um novo banco de dados, para especificar quantos atributos haverá, quais serão os tipos e comprimentos ou intervalos numéricos de cada atributo e quanta edição o usuário tem permissão para fazer .

dados dicionário: Um catálogo de todos os atributos de um conjunto de dados, junto com todas as restrições colocadas nos valores de atributo durante a fase de definição de dados. Pode incluir o intervalo e o tipo de valores, listas de categorias, valores legais e ausentes e a largura legal do campo.

dados entrada: O processo de inserir números em um computador, geralmente atribui dados. Embora a maioria dos dados seja inserida manualmente ou adquirida por meio de redes, de CD-ROMs e assim por diante, os dados de campo podem vir de um receptor GPS, de registradores de dados e até mesmo digitando no teclado.

dados modelo: Um meio lógico de organização de dados para uso em um sistema de informação.

base de dados : Qualquer coleção de dados acessível por computador.

DBMS (sistema de gerenciamento de banco de dados): Parte de um SIG, o conjunto de ferramentas que permite a manipulação e utilização de arquivos contendo dados de atributos.

padrão : O valor de um parâmetro ou uma seleção fornecida ao usuário pelo GIS sem modificação do usuário.

característica : Uma única entidade que compõe parte de uma paisagem.

apartamento Arquivo: Um modelo simples de organização de números. Os números são organizados em uma tabela, com valores para variáveis ​​como entradas, registros como linhas e atributos como colunas.

Arquivo : Dados armazenados logicamente juntos em um local no mecanismo de armazenamento de um computador.

achar : Uma operação de gerenciamento de banco de dados destinada a localizar um único registro ou um conjunto de registros ou recursos com base nos valores de seus atributos.

geográfico procurar : Uma operação de localização em um SIG que usa propriedades espaciais como base.

hierárquico modelo de dados: Um modelo de dados de atributo baseado em conjuntos de subconjuntos totalmente fechados e muitas camadas.

destaque: Uma forma de indicar ao usuário GIS um recurso ou elemento que é o resultado bem-sucedido de uma consulta.

identificar: Para encontrar uma característica espacial apontando para ela interativamente no mapa com um dispositivo apontador, como um mouse. (localizar: ver identificar.)

junção: para mesclar registros e atributos para bancos de dados não relacionados, mas sobrepostos.

atributo-chave: um identificador exclusivo para registros relacionados que pode servir como um segmento comum em todos os arquivos em um banco de dados relacional.

macro: uma interface de linguagem de comando que permite que um & quotprograma & quot seja escrito, editado e, em seguida, enviado para a interface de usuário do GIS. Por exemplo Avenue em Arcview

álgebra de mapas: terminologia de Tomlin para a aritmética da combinação de mapas para camadas co-registradas com rasters de tamanho e resolução idênticos.

sobreposição de mapa: Colocar vários mapas temáticos em registro preciso, com a mesma escala, projeções e extensão, para que uma visualização composta seja possível.

overlay: Uma operação GIS na qual camadas com uma base de mapa comum e registrada são unidas com base em sua ocupação conjunta do espaço. (devem ser georregistrados no mesmo sistema de coordenadas e na mesma escala e projeção cartográfica)

menu: Um componente de uma interface de usuário que permite ao usuário fazer seleções e escolhas em uma lista predefinida.

metadados: dados sobre dados. Informações de tipo de índice pertencentes a todo o conjunto de dados, em vez dos objetos dentro do conjunto de dados. Os metadados geralmente incluem a data, fonte, projeção do mapa, escala, resolução, precisão e confiabilidade das informações, bem como dados sobre o formato e a estrutura do conjunto de dados.

mosaico: O GIS ou mapa digital equivalente a mapas em papel correspondentes ao longo de suas bordas. Os recursos que continuam além da aresta devem ser & quotzipados & quot juntos e a aresta dissolvida. Para combinar as bordas, os mapas devem estar na mesma projeção, datum, elipsóide e escala, e mostrar características capturadas na mesma escala equivalente. Veja também correspondência de arestas.

Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais INDE: Um registro nacional de dados GIS disponibilizados por recursos de pesquisa por meio de nós da Câmara de Compensação.

parâmetro: Um número, valor, string de texto ou outro valor exigido como consequência do envio de um comando ao GIS.

consulta: Uma pergunta, especialmente se feita a um banco de dados por um usuário por meio de um sistema de gerenciamento de banco de dados ou GIS.

linguagem de consulta: A parte de um DBMS que permite ao usuário enviar consultas a um banco de dados.

relacionar: Uma operação de DBMS que mescla bancos de dados por meio de seus atributos-chave para reestruturá-los de acordo com a consulta de um usuário ao invés de como eles são armazenados fisicamente.

modelo relacional: um modelo de dados baseado em vários arquivos simples para registros, com estruturas de atributos diferentes, conectados por um atributo de chave comum. (modelo entidade-relacional)

gerador de relatórios: a parte de um sistema de gerenciamento de banco de dados que pode produzir uma listagem de todos os valores de atributos para todos os registros em um banco de dados. Também encontrado no software GIS para geração de tabelas e relatórios.

restrito: Parte da linguagem de consulta de um SGBD que permite que um subconjunto de atributos seja selecionado do arquivo simples.

recuperação: A capacidade de um sistema de gerenciamento de banco de dados ou GIS de recuperar os registros da memória do computador que foram armazenados lá anteriormente.

pesquisa: Qualquer consulta ao banco de dados que resulte na recuperação bem-sucedida de registros.

select: Um comando DBMS projetado para extrair um subconjunto dos registros em um banco de dados.

padrão de transferência de dados espaciais (SDTS): O padrão formal que especifica a organização e o mecanismo para a transferência de dados GIS entre sistemas de computador diferentes. Adotado como FIPS 173 em 1992, o SDTS especifica terminologia, tipos de recursos e especificações de precisão, bem como um método formal de transferência de arquivos para quaisquer dados geográficos genéricos. Os subconjuntos do padrão para tipos específicos de dados, vetoriais e raster, por exemplo, são chamados de perfis.

sort: Para colocar os registros dentro de um atributo em seqüência de acordo com seu valor.

SQL (Structured Query Language): Uma interface de linguagem padrão para sistemas de gerenciamento de banco de dados relacional.

subconjunto: Extração de uma parte de um conjunto de dados.

atualização: Qualquer substituição total ou parcial de um conjunto de dados por dados novos ou corrigidos.

verificação: um procedimento para verificar os valores dos atributos de todos os registros em um banco de dados em relação aos seus valores corretos.

análise: o estágio da investigação científica quando os dados são examinados e testados quanto à estrutura para apoiar as hipóteses.

atributo: um item para o qual os dados são coletados e organizados. Uma coluna em uma tabela ou arquivo de dados.

direção: uma direção angular dada em graus de zero como o norte no sentido horário até 360.

retângulo delimitador: o retângulo definido por um único recurso ou uma coleção de recursos geográficos no espaço de coordenadas e determinado pelas coordenadas mínimas e máximas em cada uma das duas direções.

centróide: uma localização de ponto no centro de um recurso usado para representar esse recurso.

convergir: O acordo eventual de medições em um único valor.

extremos de dados: Os valores mais altos e mais baixos de um atributo, encontrados selecionando o primeiro e o último registro após a classificação.

média: um valor representativo para um atributo, calculado como a soma dos valores dos atributos para todos os registros dividido pelo número de registros.

centro médio: Para um conjunto de pontos, aquele ponto cujas coordenadas são as médias daquelas do conjunto.

mediana: o valor do atributo para o registro do meio em um conjunto de dados classificado por esse atributo.

valor ausente: um valor que é excluído dos cálculos aritméticos de um atributo porque está ausente, não é aplicável ou está corrompido e foi considerado como tal.

modelo: uma distribuição teórica para uma relação entre atributos. Um modelo espacial é uma distribuição geográfica esperada determinada por uma determinada forma, como uma equação.

população: O corpo total de objetos dos quais uma amostra é retirada para medição.

previsão: a capacidade de um modelo de fornecer informações além daquelas para as quais as medições estão disponíveis.

aleatório: sem estrutura ou repetição perceptível.

intervalo: o valor mais alto de um atributo menos o mais baixo, nas unidades do atributo.

registro: um conjunto de valores para todos os atributos em um banco de dados. Equivalente à linha de uma tabela de dados.

amostra: Um subconjunto de uma população selecionada para medição.

inclinação: A constante de multiplicação em uma relação linear, ou seja, a taxa de aumento

de uma linha reta para cima ou para baixo. Veja também gradiente.

tabela: um arranjo de atributos e registros em linhas e colunas para ajudar

topologicamente limpo: o status de um mapa vetorial digital quando todos os arcos que devem ser conectados estão conectados em nós com coordenadas idênticas e os polígonos formados por arcos conectados não têm arcos duplicados, desconectados ou ausentes.

unidades: os incrementos de medição padronizados para valores dentro de um atributo.

interface do usuário: o meio físico de comunicação entre uma pessoa e um programa de software ou sistema operacional. Basicamente, é a troca de instruções digitadas em inglês ou um conjunto de comandos semelhante a um programa. Mais comuns são janelas, menus, ícones e ponteiros (WIMPS)

vetor: Uma estrutura de dados de mapa usando o ponto ou nó e o segmento de conexão como o bloco de construção básico para representar características geográficas.

mapa qualitativo de área: Um tipo de mapa que mostra a existência de uma classe geográfica dentro de áreas no mapa. Cores, padrões e tons são geralmente usados. Exemplos são geologia, solos e mapas de uso da terra.

fronteira: A área entre a linha nítida e a borda do meio ou área de exibição na qual um mapa está sendo exibido. Ocasionalmente, as informações podem ser colocadas dentro da borda, mas essa área geralmente é deixada em branco.

convenção cartográfica: A prática cartográfica aceita. Por exemplo, a água geralmente é ciano ou azul claro em um mapa mundial.

elementos cartográficos: a parte componente primitiva a partir da qual um mapa é montado, como a linha clara, a legenda, a escala, os títulos, a figura e assim por diante.

mapa coroplético: Um mapa que mostra dados numéricos (mas não simplesmente & quotcontas & quot) para um grupo de regiões (1) agrupando os dados em classes e (2) sombreando cada classe no mapa.

clareza: a propriedade de representação visual usando a quantidade mínima absoluta de simbolismo necessária para que o usuário do mapa compreenda o conteúdo do mapa sem erros.

equilíbrio de cores: A obtenção de harmonia visual entre as cores em um mapa, principalmente evitando cores que apresentam contraste simultâneo quando adjacentes umas às outras.

intervalo de contorno: A diferença vertical em unidades de medida, como metros ou pés, entre linhas de contorno sucessivas em um mapa de contorno.

mapa de contorno: Um mapa isoline de elevações topográficas.

créditos: Um elemento cartográfico em que as fontes, autoria e propriedade do mapa e os atributos do mapa são citados, geralmente incluindo uma data ou referência.

loop de design: o processo iterativo no qual um mapa GIS é criado, examinado para design, aprimorado e, em seguida, replotado a partir da definição do mapa modificado até que o usuário esteja satisfeito de que um bom design foi alcançado.

mapa de pontos: um tipo de mapa que usa um símbolo de ponto para mostrar a presença de um elemento, contando com uma dispersão visual para mostrar o padrão espacial. Mais frequentemente usado onde as características do ponto são os dados GIS, mas os pontos podem ser espalhados aleatoriamente pelas áreas.

figura: A parte de um mapa que é referenciada no sistema de coordenadas do mapa ao invés das coordenadas do layout da página e que é o centro da atenção do leitor do mapa. A figura é contrastada com o solo ou fundo. Por exemplo, em um mapa do estado de Nova York, o estado é a figura, e os estados vizinhos, embora mostrados e rotulados, são parte do solo e podem ser atenuados.

mapa de fluxo: Um mapa de rede linear que mostra, geralmente variando proporcionalmente a largura das linhas na rede, a quantidade de tráfego ou fluxo dentro da rede.

fontes: um design consistente para a exibição do conjunto completo de caracteres do inglês ou de outro idioma, incluindo caracteres especiais como pontuação e números.

mapa de símbolos graduados: um tipo de mapa que varia o tamanho de um símbolo geométrico comum para mostrar a quantidade de um atributo em pontos ou centróides de áreas. Por exemplo, as cidades podem ser mostradas com círculos de área proporcionais à população, ou os setores censitários podem ter um círculo proporcional dividido como um gráfico de pizza em um ponto representativo dentro do setor.

Mapa em grade ou rede de pesca: um mapa de uma superfície tridimensional mostrando um conjunto de perfis, geralmente paralelos ax, y ou o eixo do observador, de modo que a superfície pareça tridimensional, como uma rede de pesca elevada vista em perspectiva .

chão: a parte do corpo do mapa que não aparece na figura. Essa área pode incluir áreas vizinhas, oceanos e assim por diante. O solo deve cair mais baixo do que a figura na hierarquia visual.

harmonia: a propriedade pela qual os elementos de um mapa trabalham juntos para criar um todo estético equilibrado.

HSI: Um sistema de cor, especificado como valores de matiz, saturação e intensidade, respectivamente.

matiz: uma cor definida pelo comprimento de onda da luz refletida ou emitida da superfície do mapa.

mapa hipsométrico: um mapa de topografia envolvendo uma sequência de cores que preenche os espaços entre contornos sucessivos, geralmente variando de verde a amarelo e marrom.

mapa de imagem: um mapa que em duas dimensões compartilha muitas das características de um mapa, ou seja, geometria cartográfica, alguns símbolos, uma escala e projeção, e assim por diante, mas é uma imagem contínua tirada de uma foto aérea, uma imagem de satélite ou um scanner. Um mapa de papel digitalizado usado como pano de fundo em um GIS torna-se um mapa de imagem.

inserção: um mapa dentro de um mapa, em uma escala menor para mostrar a localização relativa ou em uma escala maior para mostrar detalhes. Uma inserção pode ter seu próprio conjunto de elementos cartográficos, como escala e gratícula.

intensidade: A quantidade de luz emitida ou refletida por unidade de área. Um mapa de alta intensidade parece brilhante.

isoline map: Um mapa contendo linhas contínuas unindo todos os pontos de valor idêntico.

rótulo: qualquer elemento cartográfico de texto que adiciona informações ao símbolo de um elemento, como o rótulo do número da altura em uma linha de contorno.

regras de colocação de rótulos: o conjunto de regras que os cartógrafos usam ao adicionar texto de mapa, nomes de lugares e rótulos a recursos. Algumas regras são genéricas para o mapa como um todo, enquanto outras se relacionam especificamente a recursos de ponto, linha e área. Mapas bem projetados seguem as regras de colocação de rótulos e as usam para resolver conflitos entre os rótulos, já que os rótulos nunca devem ser plotados uns sobre os outros.

legenda: O elemento do mapa que permite ao usuário do mapa traduzir os símbolos gráficos do mapa em ideias, geralmente pelo uso de texto.

espessura da linha: a espessura, em milímetros, polegadas ou outras unidades, de uma linha conforme aparece em um mapa.

mapa: uma representação gráfica de todo ou parte de um reino geográfico onde as características do mundo real foram substituídas por símbolos em sua localização espacial correta em uma escala reduzida.

desenho do mapa: o conjunto de escolhas relacionadas a como os elementos de um mapa são dispostos, como os símbolos, como cores, são selecionados e como o mapa é produzido como um produto tangível acabado. O processo de aplicação de conhecimento e experiência cartográficos para melhorar a eficácia de um mapa.

título do mapa: Texto que identifica a cobertura e o conteúdo de um mapa. Este é geralmente um elemento importante do mapa e pode ser redigido para mostrar o tema do mapa ou o conteúdo do mapa.

tipo de mapa: um dos conjuntos de métodos cartográficos ou técnicas de representação usados ​​por cartógrafos para fazer mapas de tipos específicos de dados. Os dados, por seus atributos e dimensões, geralmente determinam quais tipos de mapa são adequados em um contexto de mapa.

linha pura: uma linha delimitadora sólida formando a moldura da parte visualmente ativa de um mapa.

mapa de rede: um mapa que mostra como tema principalmente conexões dentro de uma rede, como estradas, linhas de metrô, dutos ou conexões de aeroporto.

mapa de ortofoto: um mapa de imagem que é uma foto aérea, corrigida para efeitos topográficos e outros. Um tipo específico de programa de mapeamento, em 1: 12.000, pelo USGS. Ortofoto digital (quarto) quadrângulo DO (Q) Q

Coordenadas da página: O conjunto de valores de referência de coordenadas usado para colocar os elementos do mapa no mapa e dentro da própria geometria do mapa, em vez da geometria do solo que o mapa representa. Freqüentemente, as coordenadas da página estão em polegadas ou milímetros a partir do canto esquerdo inferior de uma folha de papel de tamanho padrão, como A4 ou 8-1 / 2 por 11 polegadas.

mapa permanente: Um mapa projetado para uso como um produto final permanente no processo GIS.

mapa de símbolos de imagem: Um tipo de mapa que usa uma imagem simplificada ou diagrama geométrico em um ponto para mostrar um tipo de característica. Por exemplo, em um mapa de referência, os aeroportos podem ser mostrados com um pequeno diagrama de bastão de avião ou áreas de piquenique com um diagrama de mesa de piquenique.

nome do local: um elemento cartográfico de texto que vincula um nome de local a um elemento, colocando-o próximo ao símbolo ao qual ele corresponde, como o nome de uma cidade como texto ao lado de um círculo preenchido.

mapa de perspectiva realista: um mapa de uma superfície tridimensional que mostra uma imagem colorida ou sombreada sobre uma superfície topográfica e vista em perspectiva.

mapa de referência: um tipo de mapa altamente generalizado projetado para mostrar propriedades espaciais gerais de recursos. Os exemplos são mapas mundiais, mapas de estradas, mapas de atlas e mapas de esboço. Às vezes usado na navegação, geralmente com um conjunto limitado de símbolos e poucos dados. Um mapa cartográfico de referência de base geralmente é a camada de base ou estrutura em um GIS.

RGB: O sistema de especificação de cores por suas saturações de vermelho, verde e azul.

saturação: a quantidade de cor aplicada por unidade de área. Perceptivelmente, as cores saturadas parecem ricas ou sólidas, enquanto as cores de baixa saturação parecem desbotadas ou pastéis.

escala: a parte da exibição do mapa que mostra a escala da figura do mapa como uma expressão de valores (a fração representativa como um número) ou como um gráfico, geralmente uma linha no mapa rotulada com um comprimento equivalente e de número inteiro no solo, como 1 quilômetro ou 1 milha.

mapa simulado em morro sombreado: um mapa no qual um efeito de sombreamento aparente de topografia elevada é produzido por computador (ou manualmente) para que a superfície da terra pareça iluminada de forma diferencial, como faria em ângulos baixos de sol naturalmente.

contraste simultâneo: A tendência das cores nas extremidades opostas da escala primária de "pular" perceptualmente quando colocadas juntas, por exemplo, vermelho e verde.

superfície estatística escalonada: um tipo de mapa no qual os contornos das áreas são & quotrelevados & quot a uma altura proporcional a um valor numérico e vistos em perspectiva aparente. As áreas então aparecem como colunas, com uma altura de coluna proporcional ao valor.

símbolo: Uma representação gráfica abstrata de uma característica geográfica para representação em um mapa. Por exemplo, o recurso pode ser um canal, o símbolo uma linha azul de uma determinada espessura.

Simbolização: O conjunto completo de métodos usados ​​para converter informações cartográficas em uma representação visual.

mapa temporário: um mapa projetado para uso como um produto intermediário no processo de GIS e não normalmente sujeito à sequência normal de projeto do mapa.

mapa topográfico: um tipo de mapa que mostra um conjunto limitado de recursos, mas incluindo, no mínimo, informações sobre elevações ou formas de relevo. Exemplos: mapas de contorno.

Os mapas topográficos são comuns para navegação e para uso como mapas de referência.

centro visual: um local em um mapa retangular, cerca de 5% da altura acima do centro geométrico, para o qual o olho é desenhado perceptualmente.

Hierarquia visual: A organização perceptiva dos elementos cartográficos de forma que pareçam visualmente situar-se em um conjunto de camadas de importância crescente à medida que se aproximam do observador.


Dissolvendo polígonos adjacentes e adicionando atributos - Sistemas de Informação Geográfica

31) Identifique seis capacidades essenciais de um GIS (12 pontos).

a) Identifique quaisquer quatro principais objetos (componentes) de um ARCGIS Projeto.

b) Descrever o objetivo principal de cada um dos quatro componentes, especificando duas operações típicas em cada área.

a) Compare e contraste os pontos fortes e fracos de dois principais modelos de dados usados ​​em GIS.

b) Fornecer 1 exemplo do mundo real de um problema que seria melhor resolvido por cada um dos dois modelos.

c) Por que a seleção de um modelo de dados na análise GIS tornou-se menos importante no final dos anos noventa?

a) Usando diagramas bem marcados, ilustre a diferença entre UNION e INTERSECTION usados ​​em um GIS vetorial.

b) Qual é o termo genérico para este tipo de operação? _____________________________________

a) Identificar três maneiras principais pelas quais o GIS afetará o meio ambiente, a tecnologia e as instituições em um futuro próximo?

b) Avaliar se os efeitos do GIS na sociedade serão positivos ou negativos em geral

Descreva a relação e forneça um exemplo para cada uma das relações espaciais indicadas na tabela:

Por exemplo: a relação (a) poderia ser Ponto para apontar rotas aéreas entre Chicago O Lebre e outros destinos nos EUA .

atributo: uma entrada numérica que reflete uma medida ou valor para um elemento. Os atributos podem ser rótulos, categorias ou números, podem ser datas, valores padronizados ou campo ou outras medidas. Um item para o qual os dados são coletados e organizados. Uma coluna em uma tabela ou arquivo de dados.

lote: envio de um conjunto de comandos para o computador a partir de um arquivo, em vez de diretamente do usuário como uma troca interativa.

navegar: Um método de pesquisa que envolve o exame repetido de registros até que um adequado seja encontrado.

mapa coroplético: Um mapa que mostra dados numéricos (mas não simplesmente & quotcontas & quot) para um grupo de regiões (1) classificando os dados em classes e (2) sombreando cada classe no mapa.

compute: (também Reclassificar, reclassificar e vários outros termos semelhantes) Comando de gerenciamento de dados que usa os valores numéricos de um ou mais atributos para calcular o valor de um novo atributo criado pelo comando. Em um gerenciador de banco de dados, um comando que permite aritmética básica sobre atributos ou combinações de atributos, como soma, multiplicação e subtração.

linguagem de definição de dados: A parte do SGBD que permite ao usuário configurar um novo banco de dados, para especificar quantos atributos haverá, quais serão os tipos e comprimentos ou intervalos numéricos de cada atributo, e o quanto o usuário está editando permitido fazer.

dicionário de dados: um catálogo de todos os atributos de um conjunto de dados, junto com todas as restrições colocadas nos valores dos atributos durante a fase de definição dos dados. Pode incluir o intervalo e o tipo de valores, listas de categorias, valores legais e ausentes e a largura legal do campo.

entrada de dados: o processo de inserir números em um computador, geralmente atribuindo dados. Embora a maioria dos dados seja inserida manualmente ou adquirida por meio de redes, de CD-ROMs e assim por diante, os dados de campo podem vir de um receptor GPS, de registradores de dados e até mesmo digitando no teclado.

modelo de dados: um meio lógico de organização de dados para uso em um sistema de informação.

banco de dados: qualquer coleção de dados acessível por computador.

SGBD (sistema de gerenciamento de banco de dados): Parte de um SIG, o conjunto de ferramentas que permite a manipulação e utilização de arquivos contendo dados de atributos.

default: O valor de um parâmetro ou seleção fornecida ao usuário pelo GIS sem modificação do usuário.

característica: uma entidade única que compõe parte de uma paisagem.

arquivo simples: um modelo simples para a organização de números. Os números são organizados em uma tabela, com valores para variáveis ​​como entradas, registros como linhas e atributos como colunas.

arquivo: Dados armazenados logicamente juntos em um local no mecanismo de armazenamento de um computador.

find: Uma operação de gerenciamento de banco de dados destinada a localizar um único registro ou um conjunto de registros ou recursos com base nos valores de seus atributos.

pesquisa geográfica: uma operação de localização em um SIG que usa propriedades espaciais como base.

hierarchical data model: An attribute data model based on sets of fully enclosed subsets and many layers.

highlight: A way of indicating to the GIS user a feature or element that is the successful result of a query.

identify: To find a spatial feature by pointing to it interactively on the map with a pointing device such as a mouse. (locate: See identify.)

join: To merge both records and attributes for unrelated but overlapping databases.

key attribute: A unique identifier for related records that can serve as a common thread throughout the files in a relational database.

macro: A command language interface allowing a "program" to be written, edited, and then submitted to the GIS user interface. For example Avenue in Arcview

map algebra: Tomlin s terminology for the arithmetic of map combination for coregistered layers with rasters of identical size and resolution.

map overlay: Placing multiple thematic maps in precise registration, with the same scale, projections, and extent, so that a compound view is possible.

overlay: A GIS operation in which layers with a common, registered map base are joined on the basis of their joint occupation of space. (they must be georegistered to the same coordinate system and at the same scale and map projection)

menu: A component of a user interface that allows the user to make selections and choices from a preset list.

metadata: Data about data. Index-type information pertaining to the entire data set rather than the objects within the data set. Metadata usually includes the date, source, map projection, scale, resolution, accuracy, and reliability of the information, as well as data about the format and structure of the data set.

mosaic: The GIS or digital map equivalent of matching paper maps along their edges. Features that continue over the edge must be "zipped" together, and the edge dissolved. To edge match, maps must be on the same projection, datum, ellipsoid, and scale, and show features captured at the same equivalent scale. See also edge matching.

National Spatial Data Infrastructure NSDI: A national registry of GIS data made available by search facilities through Clearinghouse nodes.

parameter: A number, value, text string, or other value required as the consequence of submitting a command to the GIS.

query: A question, especially if asked of a database by a user via a database management system or GIS.

query language: The part of a DBMS that allows the user to submit queries to a database.

relate: A DBMS operation that merges databases through their key attributes to restructure them according to a user s query rather than as they are stored physically.

relational model: A data model based on multiple flat files for records, with dissimilar attribute structures, connected by a common key attribute. (entity-relational model)

report generator: The part of a database management system that can produce a listing of all the values of attributes for all records in a database. Also found in GIS software for tabular and report generation.

restrict: Part of the query language of a DBMS that allows a subset of attributes to be selected out of the flat file.

retrieval: The ability of a database management system or GIS to get back from computer memory records that were stored there previously.

search: Any database query that results in successful retrieval of records.

select: A DBMS command designed to extract a subset of the records in a database.

spatial data transfer standard (SDTS): The formal standard specifying the organization and mechanism for the transfer of GIS data between dissimilar computer systems. Adopted as FIPS 173 in 1992, SDTS specifies terminology, feature types, and accuracy specifications as well as a formal file transfer method for any generic geographic data. Subsets for the standard for specific types of data, vector and raster for example, are called profiles.

sort: To place the records within an attribute in sequence according to their value.

SQL (Structured Query Language): A standard language interface to relational database management systems.

subsetting: Extracting a part of a data set.

update: Any replacement of all or part of a data set with new or corrected data.

verification: A procedure for checking the values of attributes for all records in a database against their correct values.

analysis: The stage of scientific inquiry when data are examined and tested for structure in support of hypotheses.

attribute: An item for which data are collected and organized. A column in a table or data file.

bearing: An angular direction given in degrees from zero as north clockwise to 360.

bounding rectangle: The rectangle defined by a single feature or a collection of geographical features in coordinate space, and determined by the minimum and maximum coordinates in each of the two directions.

centroid: A point location at the center of a feature used to represent that feature.

converge: The eventual agreement of measurements on a single value.

data extremes: The highest and lowest values of an attribute, found by selecting the first and last records after sorting.

mean: A representative value for an attribute, computed as the sum of the attribute values for all records divided by the number of records.

mean center: For a set of points, that point whose coordinates are the means of those for the set.

median: The attribute value for the middle record in a data set sorted by that attribute.

missing value: A value that is excluded from arithmetic calculations for an attribute because it is missing, not applicable, or is corrupted, and has been signified as such.

model: A theoretical distribution for a relationship between attributes. A spatial model is an expected geographic distribution determined by a given form such as an equation.

population: The total body of objects from which a sample is taken for measurement.

prediction: The ability of a model to provide information beyond that for which measurements are available.

random: Having no discernible structure or repetition.

range: The highest value of an attribute less the lowest, in the units of the attribute.

record: A set of values for all attributes in a database. Equivalent to the row of a data table.

sample: A subset of a population selected for measurement.

slope: The constant of multiplication in a linear relationship that is, the rate of increase

of a straight line up or down. See also gradient.

table: An arrangement of attributes and records into rows and columns to assist

topologically clean: The status of a digital vector map when all arcs that should be connected are connected at nodes with identical coordinates and the polygons formed by connected arcs have no duplicate, disconnected, or missing arcs.

units: The standardized measurement increments for values within an attribute.

user interface: The physical means of communication between a person and a software program or operating system. At its most basic, this is the exchange of typed statements in English or a program-like set of commands. More usual are windows, menus, icons, and pointers (WIMPS)

vector: A map data structure using the point or node and the connecting segment as the basic building block for representing geographic features.

area qualitative map: A type of map that shows the existence of a geographic class within areas on the map. Colors, patterns and shades are generally used. Examplesare geology, soils, and land-use maps.

border: The area between the neat line and the edge of the medium or display area on which a map is being displayed. Occasionally, information can be placed within the border, but this area is usually left blank.

cartographic convention: The accepted cartographic practice. For example, water is usually cyan or light blue on a world map.

cartographic elements: The primitive component part out of which a map is assembled, such as the neat line, legend, scale, titles, figure, and so on.

choropleth map: A map that shows numerical data (but not simply "counts") for a group of regions by (1) grouping the data into classes, and (2) shading each class on the map.

clarity: The property of visual representation using the absolute minimum amount of symbolism necessary for the map user to understand map content without error.

color balance: The achievement of visual harmony between colors on a map, primarily by avoiding colors that show simultaneous contrast when adjacent to each other.

contour interval: The vertical difference in measurement units such as meters or feet between successive contour lines on a contour map.

contour map: An isoline map of topographic elevations.

credits: A cartographic element in which the sources, authorship, and ownership of the map and the map attributes are cited, often including a date or reference.

design loop: The iterative process in which a GIS map is created, examined for design, improved, and then replotted from the modified map definition until the user is satisfied that a good design has been reached.

dot map: A map type that uses a dot symbol to show the presence of a feature, relying on a visual scatter to show spatial pattern. Most often used where point features are the GIS data, but dots can be scattered at random throughout areas.

figure: The part of a map that is both referenced in the map coordinate system rather than the page layout coordinates and that is the center of the map reader s attention. The figure is contrasted against the ground, or background. For example, on a map of New York State, the state is the figure, and surrounding states, though shown and labeled, are part of the ground and may be toned down.

flow map: A linear network map that shows, usually by proportionally varying the width of the lines in the network, the amount of traffic or flow within the network.

fonts: A consistent design for the display of the full set of English or other language characters, including special characters such as punctuation and numbers.

graduated symbol map: A map type that varies the size of a common geometric symbol to show the amount of an attribute at points or at centroids of areas. For example, cities could be shown with circles of area proportional to population, or census tracts could have a proportional circle divided as a pie chart at a representative point inside the tract.

Gridded or fishnet map: A map of a three-dimensional surface showing a set of profiles, often parallel to the x, the y, or the viewer s axis so that the surface appears three-dimensional, as a raised fishnet viewed in perspective.

ground: The part of the body of the map that is not featured in the figure. This area can include neighboring areas, oceans, and so on. The ground should fall lower than the figure in the visual hierarchy.

harmony: The property by which the elements of a map work together to create a balanced aesthetic whole.

HSI: A system for color, specified as values for hue, saturation, and intensity, respectively.

hue: A color as defined by the wavelength of the light reflected or emitted from the map surface.

hypsometric map: A map of topography involving a color sequence filling the spaces between successive contours, usually varying from green through yellow to brown.

image map: A map that in two dimensions shares many of the characteristics of a map, that is, cartographic geometry, some symbols, a scale and projection, and so on, but is a continuous image taken from an air photo, a satellite image, or a scanner. A scanned paper map used as a backdrop in a GIS becomes an image map.

inset: A map within a map, either at a smaller scale to show relative location, or a larger scale to show detail. An inset may have its own set of cartographic elements, such as a scale and graticule.

intensity: The amount of light emitted or reflected per unit area. A map that has high intensity appears bright.

isoline map: A map containing continuous lines joining all points of identical value.

label: Any text cartographic element that adds information to the symbol for a feature, such as the height number label on a contour line.

label placement rules: The set of rules that cartographers use when adding map text, place names, and labels to features. Some rules are generic to the map as a whole, while others relate to point, line, and area features specifically. Well-designed maps follow the label placement rules and use them to resolve conflicts between the labels, as labels should never be plotted over each other.

legend: The map element that allows the map user to translate graphic map symbols into ideas, usually by the use of text.

line thickness: The thickness, in millimeters, inches, or other units, of a line as it appears on a map.

map: A graphic depiction of all or part of a geographic realm where the real-world features have been replaced with symbols in their correct spatial location at a reduced scale.

map design: The set of choices relating to how a map s elements are laid out, how symbols such as colors are selected, and how the map is produced as a finished tangible product. The process of applying cartographic knowledge and experience to improve the effectiveness of a map.

map title: Text that identifies the coverage and content of a map. This is usually a major map element and can be worded to show the map theme or the map s content.

map type: One of the set of cartographic methods or representation techniques used by cartographers to make maps of particular types of data. Data, by their attributes and dimensions, usually determine which map types are suitable in a map context.

neat line: A solid bounding line forming the frame for the visually active part of a map.

network map: A map that shows as its theme primarily connections within a network, such as roads, subway lines, pipelines, or airport connections.

orthophoto map: An image map that is an air photo, corrected for topographic and other effects. A specific type of mapping program, at 1:12,000, by the USGS. Digital orthophoto (quarter) quadrangle DO(Q)Q

page coordinates: The set of coordinate reference values used to place the map elements on the map and within the map s own geometry rather than the geometry of the ground that the map represents. Often, page coordinates are in inches or millimeters from the lower left corner of a standard-size sheet of paper, such as A4 or 8-1/2 by 11 inches.

permanent map: A map designed for use as a permanent end product in the GIS process.

picture symbol map: A map type that uses a simplified picture or geometric diagram at a point to show a feature type. For example, on a reference map airports could be shown with a small airplane stick diagram, or picnic areas by a picnic table diagram.

place name: A text cartographic element that links a place name to a feature by placing it close to the symbol to which it corresponds, such as a city name as text next to a filled circle.

realistic perspective map: A map of a three-dimensional surface showing a colored or shaded image draped over a topographic surface and viewed in perspective.

reference map: A highly generalized map type designed to show general spatial properties of features. Examples are world maps, road maps, atlas maps, and sketch maps. Sometimes used in navigation, often with a limited set of symbols and few data. A cartographic base reference map is often the base layer or framework in a GIS.

RGB: The system of specifying colors by their red, green, and blue saturations.

saturation: The amount of color applied per unit area. Perceptually, saturated colors appear rich or solid, whereas low-saturation colors look washed out or pastel-like.

scale: The part of the map display that shows the scale of the map figure as either an expression of values (the representative fraction as a number) or as a graphic, usually a line on the map labeled with an equivalent and whole-number length on the ground, such as 1 kilometer or 1 mile.

simulated hill-shaded map: A map in which an apparent shading effect of raised topography is produced by computer (or manually) so that the land surface appears differentially illuminated, as it would in low sun angles naturally.

simultaneous contrast: The tendency for colors at the opposite ends of the primary scale to perceptually "jump" when placed together for example, red and green.

stepped statistical surface: A map type in which the outlines of areas are "raised" to a height proportional to a numerical value and viewed in apparent perspective. The areas then appear as columns, with a column height proportional to value.

symbol: An abstract graphic representation of a geographic feature for representation on a map. For example, the feature could be a canal, the symbol a blue line of a given thickness.

symbolization: The full set of methods used to convert cartographic information into a visual representation.

temporary map: A map designed for use as an intermediate product in the GIS process and not usually subjected to the normal map design sequence.

topographic map: A map type showing a limited set of features but including at the minimum information about elevations or landforms. Examples: contour maps.

Topographic maps are common for navigation and for use as reference maps.

visual center: A location on a rectangular map, about 5% of the height above the geometric center, to which the eye is drawn perceptually.

visual hierarchy: The perceptual organization of cartographic elements such that they appear visually to lie in a set of layers of increasing importance as they approach the viewer.


Large-scale sediment transport patterns on the continental shelf and influence on shoreline response: St. Andrew Sound, Georgia to Nassau Sound, Florida, USA

Regional sediment transport patterns on the continental shelf seaward of Cumberland Island, Georgia and Amelia Island, Florida are documented using historical shoreline position and bathymetry data. Spatial variability in the net rate of shoreline change is considerable due to jetty construction at St. Marys Entrance in the early 1900s. Net average shoreline progradation is documented for both islands (1.5 m/yr for Cumberland and 0.4 m/yr for Amelia), however, localized areas of shoreline retreat are recorded along Amelia Island, especially for the southernmost 5 km of beach where erosion has been chronic since 1871. Rapid shoreline progradation adjacent to the jetties accompanied sediment deposition by longshore sediment transport. Simultaneously, a large quantity of sediment from the natural ebb-tidal delta was reworked and transported offshore in response to jetty construction and channel dredging, creating the modern ebb-tidal delta. Patterns of sediment movement at this inlet and throughout the study area indicate a dominant direction of drift to the south-southeast. Sediment losses and gains were quantified to evaluate long-term coastal change within the framework of a sediment budget. Qualitative descriptions of net sediment transport were integrated with quantitative results to produce a model of large-scale coastal evolution for the study area. From this analysis, net sediment transport in this coastal compartment is controlled by inlet and shelf hydraulics, and littoral zone processes have minimal impact on net long-term coastal change.

Present address: Intergraph Corporation, Austin, TX, USA.


Assista o vídeo: QGIS - UnionCombine Shapefiles - Merge Vector Layers - Method I (Outubro 2021).