Mais

Imagens de 50 cm - aéreas ou de satélite?


A área de interesse é 1450 km2.

Minhas opções são:

Imagens aéreas em cores naturais recentemente coletadas por US $ 28.300

OU

Imagens de satélite de arquivo recente de 50 cm (inclui banda de infravermelho próximo) por US $ 20.600

O uso principal será a avaliação da terra, geologia (identificação de afloramentos rochosos) e trabalho geral de SIG, como digitalização de hidrologia e recursos de transporte, mapas de orientação, etc.

A empresa contratada para voar a área e processar as imagens está com várias dificuldades técnicas por isso nosso produto ainda não foi entregue.

Imagens de satélite recentes estão disponíveis para toda a área. Estou ciente do processo de imagem multiespectral de pan-sharpening e que a imagem aérea (quando disponível) será exibida com mais detalhes no solo, mas que outros prós e contras existem?

Qual tipo de imagem é melhor para os usos que listei acima?


Algumas coisas a considerar:

1) As imagens aéreas já virão costuradas ou você terá que costurar e pós-processar manualmente cada imagem? Você provavelmente terá que pós processar as imagens de satélite.

2) Quando as imagens foram adquiridas? Para muitos recursos (por exemplo, afloramentos rochosos), você vai querer imagens de folhas.

3) As imagens (aéreas e de satélite) foram obtidas quase ao mesmo tempo? Você vai acabar com cinco imagens de satélite no outono de 2010 e duas do inverno de 2008?

4) Quais são as porcentagens de cobertura de nuvens nas imagens de satélite? Qual é a qualidade das imagens aéreas (sombras, etc.)?

Essencialmente, para os fins listados acima, você só quer algumas imagens ópticas de alta resolução que um técnico de GIS possa ver e digitalizar. As imagens aéreas e de satélite nessa resolução serão suficientes, assumindo que a qualidade seja boa (pouca cobertura de nuvens, sombras). Eu ficaria mais preocupado em saber quando as imagens foram adquiridas e quanto trabalho será necessário para que sejam pós-processadas para o seu pessoal de GIS trabalhar. Uma diferença de $ 10.000 pode parecer muito, mas quando você adiciona horas-homem para fazê-lo funcionar, o custo é insignificante, especialmente considerando a grande pegada que você está procurando cobrir.


Produtos e serviços

Uma gama de produtos ortomosaicos para atender às diferentes necessidades de precisão e tempos de execução

1. ORTHO PLUS

Produto ortomosaico premium de alta qualidade radiométrica e geométrica

  • Livre de quaisquer artefatos geométricos e radiométricos
  • Amplo controle de qualidade
  • Precisão absoluta de 2 pixels RMSE
  • Solução corporativa para cobrir uma ampla variedade de aplicativos

Este produto de orto-mosaico sem costura topo de linha é gerado usando um modelo de terreno digital editado em estéreo preciso para fornecer uma precisão geométrica muito alta. Técnicas avançadas de balanceamento de cores e software garantem um produto radiométrico perfeito. Podem ser produzidas imagens de três e / ou quatro bandas em 8bits ou 16bits.

Este produto é adequado para a mais ampla gama de aplicações de mapeamento 2D. A filosofia é produzir um único produto que possa atender a todas as necessidades. Engenheiros, topógrafos, trabalhadores de infraestrutura e construção precisam de precisão decimétrica ou melhor para controlar os principais estudos de planejamento de engenharia ou obras no terreno. As autoridades de gestão costeira precisam da melhor penetração possível da água e da ausência de reflexo do sol para monitorar o crescimento das ervas marinhas, por isso voamos e processamos com cuidado, especificamente para a penetração da água.

2. PADRÃO ORTO

Produto ortomosaico padrão da indústria

  • Ortomosaico padrão da indústria
  • Processamento rápido de dados, 2 a 4 semanas a partir da captura da imagem
  • Precisão absoluta de 3 pixels RMSE

Este orto-mosaico semiautomático é produzido com o mesmo cuidado que nosso produto Ortho Plus com um pouco mais de automação e ótimo controle de qualidade. Podem ser produzidas imagens de três e / ou quatro bandas. Este produto é mais adequado para produção rápida e em aplicações onde a moeda é uma alta prioridade.

3. FAST ORTHO

Produto ortomosaico totalmente automatizado

  • Dados adquiridos em boas condições de vôo para minimizar o brilho do sol e sombras
  • Processamento e entrega rápidos (de 1 a 2 semanas)
  • Solução econômica para grandes áreas

Este é um produto devidamente triangulado e orto-retificado e geralmente fornecido em toda a extensão da fotografia voada, o que dá uma área de “bônus” ao cliente. Embora a precisão não seja citada, manchas raramente serão evidentes em imagens de pixels de 50 cm. Os produtos Fast Ortho são rápidos, com foco na automação.

O Fast Ortho é particularmente útil para aplicações em que a velocidade de entrega e a moeda são as prioridades mais altas. Isso pode incluir áreas de mudança dinâmica, monitoramento do progresso de um evento generalizado ou documentação de danos generalizados o mais rápido possível. Em alguns tipos de terreno, como desertos, o Fast Ortho pode se aproximar do mesmo nível de qualidade do Standard Ortho ou mesmo do Ortho Plus. Isso ocorre porque essas áreas não contêm grandes corpos d'água, florestas ou edifícios altos, que requerem mais atenção manual.

A documentação de eventos de incêndio florestal é uma aplicação comum do Fast Ortho. As imagens devem ser executadas em boas condições para garantir abrangência e utilidade a longo prazo, mas devem ser executadas e processadas o mais rápido possível para garantir que os serviços de acompanhamento tenham as informações de que precisam ao seu alcance. O Fast Ortho para esse tipo de evento costuma ser usado como imagens de 4 bandas (RGBI) para documentar a gravidade das queimaduras e os efeitos na vegetação. Este serviço é regularmente utilizado por Governos Estaduais e seguradoras.

4. ÓRTO DE EMERGÊNCIA

Totalmente automatizado com tempo de captura crítico

  • Processamento muito rápido - 1-3 dias
  • Tempo crítico de retorno - durante a noite é possível em situações extremas
  • Tripulação aérea com experiência em mapeamento de desastres - inundações, ciclones, incêndios, etc. são cobertos rotineiramente

Ideal para projetos de tempo crítico, o produto orto-mosaico pode ser entregue ao cliente em 1-3 dias, dependendo da área coberta. A precisão não é especificada e, dependendo das condições de captura, fumaça, neblina e reflexo de água podem estar presentes nos produtos finais

Em 2012, a Aerometrex mapeou o pulso de inundação de uma grande inundação na área de Broken Creek em Victoria quase diariamente. O movimento do pulso de inundação no sistema do rio foi fotografado 7 vezes em 12 dias para determinar a necessidade de evacuar as cidades em seu caminho. Realizamos a captura de dados e processamos cada cobertura durante a noite para entregar as imagens na manhã seguinte.

Este produto é de grande relevância para agências governamentais, seguradoras, departamentos de polícia, médicos legistas e vários Serviços de Emergência Estaduais.

5. VERDADEIRO ORTO

Livre de distorções de construção / enxuto

  • Sem distorções de construção / enxuto
  • Útil em áreas construídas onde a construção enxuta pode, de outra forma, obscurecer o solo
  • Ideal para aplicações de mapeamento e transporte.

A construção enxuta (distorção radial) pode obscurecer as características do nível do solo em ortofotos. Nosso produto True Ortho corrige o deslocamento do relevo para edifícios, bem como a superfície do terreno, removendo assim o 'encalhe' das imagens.

Este é um produto ideal usado por muitos distritos CBD e conselhos municipais, arquitetos e gestores de ativos. As câmaras municipais podem se beneficiar muito com a True Orthos para avaliar a condição de recursos como pavimentos em uma área de CBD. Da mesma forma, os gerentes de ativos podem usar este produto para mapear a localização de sinalizações, marcações rodoviárias, etc.

Um raster de valores de elevação que podem ser editados em um Modelo Digital de Terreno (DTM) ou Modelo Digital de Superfície (DSM)

Modelos de elevação de todos os tipos são interpolados automaticamente a partir de nuvens de pontos 3D extremamente densas que são extraídas de imagens aéreas. Os melhores resultados para DTMs e DSMs são obtidos por câmeras de mapeamento aéreo de alta qualidade com geometria grande angular. A melhor precisão é obtida aplicando algoritmos avançados para correspondência de imagens e filtragem de dados.

Modelos Digitais de Terreno

UMA Modelo Digital de Terreno (DTM) é uma representação da superfície do terreno de "terra nua". É usado na produção de outros tipos de dados, como ortofotos, e é um produto autônomo importante, permitindo o cálculo de volumes (cortar e preencher / empilhar), inclinação e aspecto, etc. A qualidade de um DTM é dependente em vários fatores relacionados às especificações de voo, tamanho do pixel, geometria da câmera e parâmetros de software de processamento, bem como o grau de edição necessária. A captura de linhas de quebra quando apropriado é essencial para obter um ajuste perfeito de um DTM com o mundo real.

Qualquer aplicativo que requeira dados precisos sobre a forma, tamanho e orientação de formas de relevo precisa de DTMs. Isso abre uma ampla gama de aplicações em construção civil, serviços de água, modelagem de incêndio florestal, engenharia, mineração, mapeamento topográfico, recreação, defesa, etc.

Modelo de terreno digital premium de precisão de engenharia

DTM Plus é o nosso modelo digital de terreno topo de gama. Este produto é o resultado da interpolação de nuvens de pontos 3D extremamente densas que são extraídas das imagens, juntamente com a revisão de operador habilidoso em 3D. É totalmente editado em estéreo e breaklines 3D são capturados em mudanças bruscas de inclinação para obter um ajuste perfeito do DTM com o mundo real. A precisão absoluta fornecida é adequada para projetos de engenharia em que a precisão é um fator crítico.

  • Hidrologicamente corrigido
  • Revisado criticamente e editado em condições estéreo 3D
  • Precisão absoluta de aprox. 1,5 pixels em 2σ (intervalo de confiança de 95%)
  • Aplicação de produto mais ampla possível

Modelo de terreno digital com edição estéreo padrão da indústria

Nosso modelo de terreno digital padrão é uma grade regular editada em estéreo que representa o terreno de ‘terra nua’ livre de edifícios, vegetação e outros objetos não-solo. As linhas de quebra principais podem ser coletadas e fornecidas.

  • Padrão industrial
  • Processamento rápido dos dados
  • Precisão absoluta de 2,5 pixels em 2σ (intervalo de confiança de 95%)
  • Útil para aplicações ambientais e de planejamento

Modelo de terreno digital totalmente automatizado

Dados 3D brutos são gerados a partir de imagens aéreas por software avançado de correlação estéreo e correspondência de imagens. Algoritmos de filtragem automática avançados são então aplicados para remover pontos 3D que podem estar no topo de edifícios, vegetação e outros objetos não-solo.

  • Definir formas de relevo
  • Tempo de processamento muito rápido
  • Solução econômica para grandes áreas

Modelo de terreno digital premium de precisão de engenharia

DTM Plus é o nosso modelo digital de terreno topo de gama. Este produto é o resultado da interpolação de nuvens de pontos 3D extremamente densas que são extraídas das imagens, juntamente com a revisão de operador habilidoso em 3D. É totalmente editado em estéreo e breaklines 3D são capturados em mudanças bruscas de inclinação para obter um ajuste perfeito do DTM com o mundo real. A precisão absoluta fornecida é adequada para projetos de engenharia em que a precisão é um fator crítico.

  • Hidrologicamente corrigido
  • Revisado criticamente e editado em condições estéreo 3D
  • Precisão absoluta de aprox. 1,5 pixels em 2σ (intervalo de confiança de 95%)
  • Aplicação de produto mais ampla possível

Padrão da indústria, modelo digital de terreno editado em estéreo

Nosso modelo de terreno digital padrão é uma grade regular editada em estéreo que representa o terreno de ‘terra nua’ livre de edifícios, vegetação e outros objetos não-solo. As linhas de quebra principais podem ser coletadas e fornecidas.

  • Padrão industrial
  • Processamento rápido dos dados
  • Precisão absoluta de 2,5 pixels em 2σ (intervalo de confiança de 95%)
  • Útil para aplicações ambientais e de planejamento

Modelo de terreno digital totalmente automatizado

Dados 3D brutos são gerados a partir de imagens aéreas por software avançado de correlação estéreo e correspondência de imagens. Algoritmos de filtragem automática avançados são então aplicados para remover pontos 3D que podem estar no topo de edifícios, vegetação e outros objetos não-solo.

  • Definir formas de relevo
  • Tempo de processamento muito rápido
  • Solução econômica para grandes áreas

Modelos de superfície digital

Um modelo de superfície digital (DSM) é uma superfície de elevação que inclui edifícios e árvores, bem como a superfície do terreno descoberto. Os DSMs são amplamente usados ​​em aplicações que requerem análise de linha de visão, especialmente em telecomunicações. As aplicações incluem a colocação de antenas para TV, redes wireless, torres de telefonia móvel, torres de microondas e outros.

Nossos modelos de superfície digital contêm elevações de terreno natural, além do topo de edifícios, árvores e quaisquer outros objetos. Este produto é análogo ao modelo de elevação de "primeiro retorno" LiDAR. É adequado para análise da linha de visão, extração de edifícios e análise de obstáculos da linha de transmissão.

A Aerometrex gerou grandes DSMs a partir de algumas de suas coberturas de imagens regulares.

  • Grade de pontos muito densa
  • Mapeamento de obstrução e análise de visibilidade
  • Entrada de produção de orto verdadeiro Nadir

Quadros RAW para entrada em software fotogramétrico

  • Adequado para entrada em pacotes fotogramétricos
  • Pode ser fornecido com ou sem dados de aerotriangulação
  • Pode ser fornecido com GPS / IMU aerotransportado processado
  • Imagens georreferenciadas em RAW em cores ou em preto e branco podem ser fornecidas mediante solicitação
  • Processamento e entrega muito rápidos

Empresas de mapeamento, empresas de pesquisa, incorporadores imobiliários, arquitetos, firmas de construção e modeladores de edifícios consideram essas informações inestimáveis. O quadro bruto triangulado são os dados de origem para muitos tipos de produtos de dados downstream. Organizações com recursos de mapeamento fotogramétrico interno podem preferir usar sua própria equipe para gerar esses produtos.

Órgãos governamentais com um departamento de mapeamento interno podem exigir quadros brutos para produzir tipos de produtos específicos para os quais têm conhecimento especializado, como mapear espécies de árvores ou plantações.


GIS e Big Data: por que 'Onde no mundo' é importante

Ouvimos dezenas de definições de & ldquoBig Data & rdquo e da & ldquoInternet das coisas & rdquo e como elas estão mudando e irão mudar a TI para sempre. Há um componente de ambas as revoluções que unifica e reúne todos esses dados e permite análises que de outra forma seriam impossíveis. Esse componente é a localização. Um dos principais fabricantes de software de Sistemas de Informação Geográfica (GIS) em todo o mundo, Esri, destacou este ponto na frente de cartógrafos e profissionais de GIS em uma conferência recente, & ldquoGeography Matters. & Rdquo As informações de localização estão associadas a quase todos os dados em seu A empresa e o GIS tornam possível aproveitar essas informações de localização e visualizá-las de maneiras novas e interessantes para uma melhor tomada de decisão e gerenciamento e organização aprimorados de suas informações.

& quotÀ medida que mais e mais conjuntos de dados & ldquoBig & rdquo baseados em localização se tornam disponíveis, as empresas encontrarão maneiras novas e inovadoras de aproveitá-los & quot

Por que, de outra forma, o titã da publicidade Google em 2004 compraria uma startup de três anos chamada Keyhole, que buscava trazer imagens de satélite globais perfeitas e mapeamento para a comunidade de inteligência dos Estados Unidos? O Google teve a perspicácia de reconhecer que seus anúncios e clientes eram baseados em localização, e eles poderiam melhorar a qualidade e a capacidade de resposta de seus anúncios vinculando-os ao local. Com o amplo endosso do Google Maps, Google Earth e a miríade de Google Apps incorporados a essas plataformas, essa previsão claramente provou sua sabedoria.

O Google anunciou recentemente seu plano de comprar uma empresa de imagens de satélite, a Skybox, por US $ 500 milhões, com a intenção de lançar um total de 24 satélites nos próximos anos. Em junho, o governo dos EUA suspendeu as restrições ao tamanho permitido de recursos visíveis para imagens de satélite de 50 cm a 31 cm para uma empresa comercial, Digital Globe. Essas mudanças estão chegando rapidamente e isso significa que em breve saberemos a localização precisa de tudo, desde caixas de correio a bueiros com uma precisão e onipresença que nunca imaginamos.

Michael Baker International possui e opera um sistema avançado de LiDAR móvel Optech LYNX. Simplificando, este sistema mede e coleta centenas de milhares de pontos de localização por segundo e dezenas de fotos de alta resolução por segundo enquanto dirige pela rua. Cada medição de ponto inclui uma localização altamente precisa e, juntos, esses pontos e fotos podem criar uma cena 3D a partir da qual técnicas automatizadas e manuais podem extrair informações úteis, como a localização de um poço de inspeção, a localização e o tamanho de um buraco ou mesmo o diâmetro e espécies de uma árvore. As empresas de engenharia são frequentemente contatadas pelos governos locais para realizar esse mapeamento de infraestrutura e, com a crescente proliferação da computação em nuvem e da liberdade de informação pública, as organizações podem descobrir que essas informações estão cada vez mais disponíveis para uso. Mas a sua empresa está pronta para fazer uso desse Big Data?

À medida que mais e mais desses conjuntos de dados & ldquoBig & rdquo baseados em localização se tornam disponíveis, as empresas encontrarão maneiras novas e inovadoras de utilizá-los. Na indústria de engenharia, estamos usando GIS e Realidade Aumentada (AR) para auxiliar no projeto e construção porque nos permite visualizar nossos projetos de pré-construção, bem como os tubos e infraestrutura sob as ruas em tempo real. Em um artigo anterior na CIO Review, Dan Horton, nosso CIO na Baker, reconheceu que o Google Glass e o AR podem trazer valor significativo e economia de custos para muitas organizações. Quando tecnologias de mapeamento móvel como LiDAR e visualização como AR são combinadas, isso nos permite avaliar as condições do mundo real remotamente ou trazer informações vitais para o campo. De acordo com uma nova pesquisa publicada pela Markets and Markets, os mercados de AR e VirtualReality devem crescer e chegar a US $ 1,06 bilhão em 2018.

A tecnologia GIS e as informações baseadas em localização também mostraram um crescimento onipresente devido aos recursos da tecnologia móvel, como câmera e GPS (Sistema de Posicionamento Global) em smartphones e outros dispositivos móveis, que permitem aos usuários mapear sua localização em tempo real e fornecer dados de volta para Fontes de Big Data. Em alguns casos, esse upload de dados é intencional, como dados de campo e coleta de fotos para um projeto, ou para direcioná-lo a um destino, evitando tráfego, ou mesmo para & ldquocheckin & rdquo nas redes sociais. Em outros casos, nossos aplicativos estão coletando essas informações sem que tenhamos consciência disso.

Por exemplo, ao carregar o Google Maps em nossos smartphones e clicar no botão & ldquoAgree & rdquo, autorizamos o Google a nos rastrear em quase todos os lugares que formos. Outros aplicativos seguiram o exemplo e agora estamos vendo esses dados baseados em localização muito grandes se tornando disponíveis no mercado comercial para serem explorados por sua organização para melhorar e otimizar seus serviços. Como exemplo, algumas cidades agora estão usando esse tipo de dados em conjunto com os censores sob as ruas para monitorar veículos individuais enquanto eles viajam pela cidade para ajustar o tempo dos semáforos para melhorar o fluxo de tráfego com base nos hábitos de direção dos motoristas.

Todos nós ouvimos Jeff Bezos, CEO da Amazon, nos mostrar como ele usaria drones para entregar nossos pacotes. Embora isso possa ser um pouco distante, os drones muito em breve fornecerão um novo caminho para o Big Data dar suporte aos nossos aplicativos de mapeamento GIS. Depois de aprovados pela FAA, os voos de drones serão usados ​​por muitas empresas para coletar dados aéreos antes relegados a helicópteros e voos de avião caros. Essas imagens aéreas e os dados serão usados ​​para extrair e mapear recursos no solo, aumentando ainda mais nosso conhecimento e localização de tudo no mundo ao nosso redor.

Além disso, há uma nova revolução em Big Data sendo lançada, que aumentará em ordens de magnitude a quantidade de informações disponíveis para cada organização. A chamada & ldquoInternet of Things & rdquo (IoT) refere-se à conectividade de dispositivos e máquinas para fornecer informações sobre como estão funcionando, para alertá-lo se você estiver com pouco leite ou que deixou a porta da garagem aberta. De acordo com o Gartner, "haverá quase 26 bilhões de dispositivos na Internet das Coisas em 2020." Essa proliferação de informações, juntamente com os avanços recentes na computação em nuvem e nas comunicações móveis, significa que todos podemos nos beneficiar dessas informações, independentemente de estarmos usando para verificar o status de um pacote que pedimos, entregar nossos produtos na porta de alguém ou mapear tendências para apoiar uma nova campanha de marketing.

A localização é importante e o Big Data veio para ficar. Usando tecnologias GIS, podemos organizar e compreender melhor essas informações para o benefício de nossos negócios. Cada organização tem um bom uso para o Big Data baseado em localização que está disponível hoje e no horizonte. No entanto, é somente por meio da engenhosidade e perspicácia que nós, como o Google, podemos reconhecer o quanto a localização é importante para nossos negócios e aproveitar as ferramentas que o GIS oferece para fortalecer e otimizar nossas operações.


Imagens de 50 cm - aéreas ou de satélite? - Sistemas de Informação Geográfica

Os recentes deslizamentos de terra em La Conchita, Califórnia, Mumbai, Índia, Ratnapura, Sri Lanka e na aldeia de Sugozu, Turquia ilustraram dramaticamente a chuva prolongada na mudança induzida pela água no estresse de cisalhamento do solo. Nestes exemplos, a pegada humana também pode ter apagado ou alterado a drenagem natural do rio de pequenas para grandes escalas. Ao estudar os padrões de deslizamentos de terra em ecossistemas naturais, funcionários do governo, formuladores de políticas, engenheiros, geólogos e outros podem estar mais bem informados sobre o provável sucesso dos programas de prevenção ou melhoria em áreas sujeitas a risco. Nossa área de estudo na bacia de Los Amigos, nas florestas tropicais amazônicas do sudeste do Peru, registrou várias centenas de deslizamentos de terra. A área não possui grandes assentamentos humanos. A bacia é caracterizada por chuvas fortes, vegetação densa, meandros do rio e solos uniformes. Nossos objetivos eram: 1). Determine o padrão espacial de deslizamentos de terra usando GIS e dados de sensoriamento remoto, 2). Modelar a relação estatística entre as variáveis ​​ambientais e, 3). Avalie a influência da drenagem na paisagem e na perda de solo.

As camadas GIS consistiam em: imagens aéreas de 50 cm, DEMs, riachos digitalizados, solos, geologia, precipitação do satélite TRMM e cobertura vegetal dos sensores LANDSAT e MODIS.


Usando imagens de satélite para contar baleias e outros animais

As imagens de satélite estão em um momento de mudanças rápidas, com um satélite capaz de registrar detalhes de até 50 cm ficando online há apenas quatro anos, e já sendo substituído por um capaz de resolução de 25 cm (4 vezes mais pixels para a mesma área). À medida que a resolução desses sistemas aumenta, também aumenta a variedade de usos possíveis para eles. No entanto, o acesso às imagens é relativamente caro (cerca de £ 10 por quilômetro quadrado), o que afeta os aplicativos que são viáveis.

O termo de pesquisa BAS, liderado pelo Dr. Fretwell, desenvolveu algoritmos que podem detectar vários tipos de baleias e contá-los nos oceanos, usando as imagens de satélite. Usando a análise espectral, eles também podem usar os mesmos algoritmos para detectar populações de aves marinhas por meio do guano ao redor de suas colônias, que tem uma assinatura espectral única que varia de acordo com a dieta das aves.

Já existem atividades comerciais consagradas nas áreas de operações militares, policiais e de medição de vegetação, que fazem uso de imagens de satélite. Da mesma forma, levantamentos aéreos são usados ​​comercialmente para monitorar animais em terra. Isso sugere fortemente que também deve ser possível criar um negócio viável usando as técnicas de análise de satélite BAS.

A experiência particular do Dr. Fretwell reside na detecção e medição de coisas relativamente pequenas que se movem, até um tamanho de dois pixels (1 m no momento e 50 cm a partir do final de 2014). Além das populações de baleias e aves marinhas, a equipe do BAS também realizou contagens globais da população de pingüins imperador, por exemplo, e gerou interesse da indústria do turismo, de vários órgãos de conservação e da Comissão Baleeira Internacional.

O desafio para o i-Team é investigar a gama de usos possíveis para esses algoritmos, e também os diferentes tipos de organizações que estariam interessadas nos resultados dessas análises. Espera-se que isso inclua interesses governamentais, intergovernamentais e de conservação, bem como uma gama de aplicações comerciais.


O PAView trabalha para estabelecer links com educadores em toda a Comunidade para desenvolver parcerias, criar oportunidades de treinamento e fornecer treinamento e materiais informativos para apoiar a educação em sensoriamento remoto. Esses esforços incluem o apoio ao workshop anual de sensoriamento remoto PA DCNR e o desenvolvimento de lições e tutoriais. Alguns esforços relacionados ao PAView estão incluídos nesta seção do site.

Os Sistemas de Informação Geográfica (GIS) podem usar imagens Lidar e multiespectrais de alta resolução coletadas de aeronaves para fornecer mapas detalhados de várias características de uma bacia hidrográfica. Nos afluentes da Baía de Chesapeake, incluindo o Rio Susquehanna, o transporte de sedimentos é de particular interesse devido ao seu impacto no ecossistema de Chesapeake. Os sedimentos podem se originar em pequenos riachos nas áreas altas de uma bacia hidrográfica ou no canal principal como erosão da margem. Este trabalho enfoca os mecanismos que funcionam em uma escala entre o rill e a escala da rede do canal. O trabalho anterior em Bucknell se concentrou na modelagem de caminho de fluxo e no uso de modelos digitais de elevação (DEMs) junto com mapas de Uso e Cobertura do Solo (LULC) para desenvolver um índice de potencial de poluição em caminhos de fluxo concentrado. No verão passado (2019), um novo índice foi desenvolvido, baseado no trabalho de Moore e Wilson (1992). Este trabalho usou o índice de potência da corrente (representando a vazão multiplicada pela inclinação) para representar a capacidade de um caminho de fluxo para transportar sedimentos. Com base no pressuposto de que a alta capacidade de transporte de sedimentos corresponde ao alto transporte de sedimentos durante grandes cheias, foram desenvolvidos mapas mostrando a capacidade de transporte de sedimentos ao longo de caminhos de fluxo concentrado. Dados para avaliar vários índices não estavam disponíveis em 2019 devido ao tempo seco durante as semanas disponíveis para pesquisa. Em 2020, foram feitos planos para medir a deposição de sedimentos em áreas de terras altas, mas as restrições do COVID-19 impossibilitaram a coleta desses dados neste verão. O trabalho deste verão tentou validar vários índices de transporte de sedimentos usando dois DEMs de alta resolução separados por 11 anos (em 2006 e 2017). As diferenças reais (presumivelmente não artefatos numéricos) entre esses dois DEMs devem representar a erosão ou deposição do solo. A Figura 1 é um mapa topográfico da bacia hidrográfica. A Figura 2 é um mapa que mostra a diferença nas elevações entre esses dois DEMs em uma escala horizontal de 1 m. As cores claras representam a erosão e as cores escuras representam a deposição

O objetivo é usar as imagens para demonstrar aos alunos como a tecnologia de sensoriamento remoto pode ser usada para realizar análises geoespaciais científicas, neste caso, avaliando imagens para avaliação de desastres naturais e efeitos ambientais de duas áreas: 1) a área do acampamento de fogo em Butte County, Califórnia, em novembro de 2018 e 2) a área de Florida Panhandle de Mexico Beach afetada pelo furacão Michael em outubro de 2018. Este projeto usará técnicas de processamento de imagem para analisar os impactos e a extensão da destruição causada pelo incêndio florestal na Califórnia e pelo furacão quando passou pelo Panhandle da Flórida. Prevê-se que tanto as imagens de alta resolução das Plêiades (50 cm) quanto as imagens de satélite SPOT (1,5 m) de resolução média devem ser suficientes para detectar mudanças no uso / cobertura da terra e vários efeitos ambientais desses desastres naturais, como cicatrizes de queimaduras, vegetação impactos, inundações e destruição do habitat. O projeto irá apresentar aos alunos de Sensoriamento Remoto tecnologias e técnicas geográficas. O uso de imagens tem se mostrado popular além do Curso de Sensoriamento Remoto. Este projeto e as imagens também serão utilizados para o Curso de Desastres, bem como para o Curso de Geotécnica e os cursos de Estudos Ambientais.

Gestores de bacias hidrográficas com recursos limitados precisam de métodos para priorizar possíveis locais de restauração ou remediação. A Chesapeake Conservancy desenvolveu um método baseado em Sistema de Informação Geográfica (SIG) para auxiliar nesta priorização. Seu método envolveu o uso de mapas de uso da terra / cobertura da terra (LULC) e modelos de elevação digital de alta resolução (DEMs) e resultou em mapas de caminhos de fluxo concentrados, codificados por cores de acordo com o valor de um índice denominado NDFI, representando a probabilidade de um caminho que carrega altas concentrações de poluentes. O trabalho nessa área na Bucknell começou no ano acadêmico de 2014-15 com uma série de consultas com funcionários da Chesapeake Conservancy para entender melhor sua metodologia. O trabalho continuou no ano acadêmico de 2015-16, quando os mapas de NDFI para Buffalo Creek foram desenvolvidos. Ao longo dos anos letivos de 2016-17 e 2017-18, o trabalho foi focado no desenvolvimento de um Overland Flow Sediment Index (OFSI), adaptado para sedimentos como o poluente de interesse. Durante o verão de 2019, os pesquisadores de Bucknell trabalharam com um índice alternativo de base física para o transporte de sedimentos em bacias hidrográficas.

  • Padrão 1: como usar mapas e outras representações geográficas, tecnologias geoespaciais e pensamento espacial para compreender e comunicar informações
  • Padrão 14: Como as ações humanas modificam o ambiente físico

O objetivo deste exercício é ajudar os alunos a analisar dados raster para examinar padrões espaciais.

Ao apresentar aos alunos as tecnologias GIS, o parceiro do PaView, California University of Pennsyvlania, criou uma aula para calouros ou veteranos do ensino médio. Esta lição, que leva aproximadamente duas sessões de aula, reforça os Padrões National Geographic: Padrão 1: Como usar mapas e outras representações geográficas, tecnologias geoespaciais e pensamento espacial para compreender e comunicar informações Padrão 14: Como as ações humanas modificam o ambiente físico Objetivos. Após esta tarefa, os alunos devem ser capazes de: - Explicar dados raster e suas complexidades - Analisar dados raster para examinar padrões espaciais.

Em 2020, Villanova comprou imagens de satélite Pleiades e WorldView-2 (WV-2) da área dos pântanos de Plum Island Sound, Massachusetts (Figura 1) com o financiamento da concessão Pennsylvania View (PA View). As imagens adquiridas com financiamento de doação foram em junho de 2017 e junho de 2018 para análise NDVI, e foram aumentadas com a compra do departamento suplementar de imagens de satélite WorldView-3 (WV-3) de janeiro de 2018 para realizar análises de jangadas de gelo. As imagens WV3 adquiridas seriam logo após a nevasca de janeiro de 2018 no nordeste dos EUA (ciclone bomba) e as imagens de junho de 2017 e 2018 foram usadas para realizar análises de vegetação para determinar a extensão dos danos causados ​​por tempestades de inverno no habitat do pântano. Os pântanos de Plum Island são uma área de estudo para um dos alunos de graduação em Ciências Ambientais de Villanova que está investigando o efeito das tempestades na deposição de sedimentos, inclusive por meio de um mecanismo chamado rafting.

A classificação da terra está diretamente ligada à avaliação da propriedade. No Condado de Clarion, a classificação de terras atualmente usada está desatualizada, não apenas em termos de idade (1958), mas também em termos de processamento e integração nos procedimentos de avaliação. This project will evaluate the current state of data as well as processes for land valuation in Clarion County, and, using remotely sensed data and GIS techniques, new estimates for land classification will be produced and tested. The produced system will be also compared with the current one. Change estimates will be produced in order to evaluate the transformation in the quality of land during the past 50 years.

The Marine Conservation Science Institute, known for its Expedition WhiteShark shared their great white locational data with PAVIew. Megan Boger, a California University of Pennsylvania student, and Dr. Mueller created an ArcGIS lesson using the data.

Overview - This tutorial, created by Tim Linkenheimer of the Blackhawk Middle and High School, familiarizes users with the following ArcGIS Online commands and functions: with using the following commands offered in ArcGIS online: Utilizing all of the standard functions such as search, zoom, print, save, share, print and bookmark Using the Basemap command to load a topographic map provided by ESRI Using spreadsheet software to load a series of points of reference on a map that are important to locate while traveling Editing those points of interest so they are categorized, easy to interpret and represented properly on the map.

Overview – This activity, created by Lee Cristofano of Bethel Park High School, consists of students, working alone or in small groups, plotting the locations of earthquakes and volcanoes on a map of the Earth. By doing this, the “big idea” of this lesson is for students to discover the correlation between earthquake and volcano locations and the boundaries of the Earth’s tectonic plates. Further, this is evidence that the plates are actually in motion. This lesson is recommended for Grades 7-9 in an Earth and Space Science class.

This online, GIS –based activity allows students to use inquiry-based science to draw conclusions about the relationship between volcanic activity, fault lines and plate tectonics. They will use ArcGIS online mapping tools to arrive at their conclusions. A working ArcGIS mapping account is required for this activity. Ideally, this lesson would be taught after a lesson that introduces ArcGIS mapmaker and would be used as a method to scaffold learning from prior knowledge. The estimated time for this activity is between 60 and 90 minutes, depending on the skill level of the students. Beginner skills in ArcGIS are necessary.


Guidelines for access to aerial imagery

Due to the nature of aerial imagery and the market for its supply, a VAR&rsquos intended usage must be acceptable to Landgate and specified within a licence before access and pricing is provided.

Acceptable use

  • Generally, Landgate will allow access to imagery where it will not be used as the primary focus of a derived product. Where the focal point of a VAR&rsquos product is in providing functionality, information or a solution to a problem and aerial imagery is merely providing a supplementary visual reference/backdrop, it will be considered favourably.

Unacceptable use

  • Where the selling point of a VAR&rsquos product is the actual aerial imagery, with added functionality considered secondary or an enhancement to the imagery, then Landgate will not provide imagery access.
  • Where a VAR creates a product that will have users frequently consuming large amounts of imagery (within the SLIP environment), resulting in degraded performance for other subscribers. In these instances, Landgate may look to provide the imagery via an alternative channel.

The acceptance of a value added reseller application for imagery will be case by case at Landgate&rsquos discretion.


50cm imagery - aerial or satellite? - Sistemas de Informação Geográfica

The GeoEye-1 satellite, launched on September 6, 2008, collects images at nadir with 0.41-meter panchromatic and 1.65-meter multispectral resolution. (Imagery sold to commercial customers is resampled to 0.5-meter resolution.) Just as important, 3 meters of inherent geolocation accuracy has never before been achieved in any commercial imaging system.

Originally named OrbView-5, GeoEye-1 has proven to be a milestone in the area of commercial imaging. The satellite collects up to 700,000 square kilometers of panchromatic (and up to 350,000 square kilometers of pan-sharpened multispectral) imagery per day. GeoEye-1 is able to revisit any point on Earth once every three days or sooner.

After the merger of GeoEye with DigitalGlobe, the satellite has joined WorldView-1, WorldView-2, QuickBird under unified umbrella constellation of DigitalGlobe. Ikonos too has joined its ranks.

Specifications of GeoEye-1 sensor:

Launch DateSeptember 6, 2008
Camera Modes0.41 m / 1.34 ft Panchromatic at nadir
1.65 m / 5.41 ft* multispectral
Spectral Range Panchromatic: 450 – 800 nmBlue: 450 – 510 nm
Green: 510 – 580 nm
Red: 655 – 690 nm
Near Infra Red: 780 – 920 nm
Accuracy CE stereo: 2 m / 6.6 ft
LE stereo: 3 m / 9.84 ft
CE mono: 3.5 m / 8.20 ft
These are specified as 90% CE (circular error) for the horizontal and 90% LE (linear error) for the vertical with no ground control points (GCP’s).
Swath WidthNominal swath width – 15.2 km / 9.44 mi at Nadir
Single-point scene – 225 sq km (15×15 km)
Contiguous large area – 15,000 sq km (300×50 km)
Contiguous 1° cell size areas – 10,000 sq km(100×100 km)
Contiguous stereo area – 6,270 sq km (224×28 km)
(Area assumes pan mode at highest line rate)
Imaging DirectionCapable of imaging in any direction
Collection CapacityUp to 700,000 sq km/day (270,271 sq mi/day) of pan area
Up to 350,000 sq km/day (135,135 sq mi/day) of pan-sharpened multispectral area
Dynamic Range11 bit per pixel

platform technical Information:

Launch VehicleDelta II
Launch Vehicle ManufacturerBoeing Corporation
Launch LocationVandenberg Air Force Base, California
Satellite Weight1955 kg
Satellite Storage and Downlink1 Terabit recorder X-band downlink (at 740 mb/sec or 150 mb/sec)
Orbital Altitude684 kilometers / 425 miles
Orbital VelocityAbout 7.5 km/sec or 17,000 mi/hr
Inclination/Equator Crossing Time98 degrees / 10:30am

The GeoEye-1 satellite is in a sun-synchronous orbit with a nominal equator crossing at 10:30 AM local. It takes approximately 98 minutes to complete one orbit and it makes nearly 15 orbits per day. The relatively high orbit, at 684 km above the Earth’s surface, allows for more access time over a particular area of interest resulting in larger collection capacity.

Comparison with other sensors:

Smaller Ground Sample distance allows GeoEye-1 to acquire high quality imagery even at high off-nadir angles.

Small GSD at low elevation angles is also important for shorter revisit times. This important factor makes GeoEye-1 the only sensor to achieve a GSD of 50cm even at Off-nadir angles as low as 60 deg(Off-nadir 30deg) unlike any other current or planned sensor.


50cm imagery - aerial or satellite? - Sistemas de Informação Geográfica

SATPALDA provides you clear and timely insight into our changing world. With an array of modern Remote Sensing sensors in its product portfolio SATPALDA provides you with a unique strength that enables you to make positive contribution this planet and humanity. Sensor with disparate specification provide distinctive insight in terrestrial and marine phenomena.

Please select a satellite sensor from the list below to learn more about it.

WorldView-3

WorldView-3 is the latest satellite sensor from DigitalGlobe. With the addition of this sensor to its satellite constellation (in addition to QuickBird, WorldView-1, GeoEye-1, Ikonos and WorldView-2), DigitalGlobe will be capable of collecting

1 billion km2 of Earth imagery per year. DigitalGlobe has added a SWIR (Shortwave Infrared) sensing 8-band instrument to WorldView-3 satellite that will read more

WorldView-2

WorldView-2 satellite sensor from DigitalGlobe provides 8-band multispectral imagery. It was launched on October 8, 2009 from Vandenberg Air Force Base on a Delta II rocket to become DigitalGlobe’s third satellite in orbit, joining WorldView-1 which was launched in 2007 and QuickBird which was launched in 2001. It takes a new photograph of any place on Earth read more

GeoEye-1

The GeoEye-1 satellite, launched on September 6, 2008, collects images at nadir with 0.41-meter panchromatic and 1.65-meter multispectral resolution. (Imagery sold to commercial customers is resampled to 0.5-meter resolution.) Just as important, 3 meters of inherent geolocation accuracy has never before been achieved in any commercial imaging system. Originally named OrbView-5, GeoEye-1 has proven to read more

Pléiades 1A

Pléiades 1A Satellite Sensor First satellite to be launched for creation of Pleiades constellation was Pleiades 1A. It was launched in December, 2011 from French Guiana. About Pléiades 1A The Pleiades-1A constellation provides very-high-resolution optical products in record time, offering daily revisits to any point on the globe and acquisition capabilities tailored to meet the full spectrum read more

Pléiades 1B

Pléiades 1B Satellite Sensor Pléiades 1B sensor was launched on 2nd December 2012. designed and constructed by Astrium France, this satellite was launched on board a Soyuz rocket from European Space Center’s launch pad in French Guiana. About Pleiades 1B Pléiades 1B is second in the series of 2 satellites to be launched by France read more

WorldView-1

WorldView-1 provides earth imagery at 50cm spatial resolution. Being a panchromatic(Black & White) sensor, WorldView-1 can acquire very large areas in short period of time. This sensor was launched by DigitalGlobe on September 18, 2007. With an average revisit time of 1.7 days, WorldView-1 is capable of collecting up to 750,000 square kilometers (290,000 sq mi) read more

QuickBird

DigitalGlobe’s QuickBird satellite offered sub-meter resolution imagery. Initially at an operational altitude of 482 km, QuickBird was operated at an altitude of 450 km and continued in an gradual descent until its end of mission life in 2015 at an altitude of 300 km. QuickBird provided commercial imagery at 0.61 m (PAN) and at 2.4 read more

Ikonos

When GeoEye successfully launched the IKONOS satellite in 1999, it made history with the world’s first one-meter commercial remote sensing satellite. Moving over the ground at approximately seven kilometers per second, IKONOS collects black and-white and multispectral data at a rate of over 2,000 square kilometers per minute. Through the nearly fifteen, 98-minute journeys it read more

SPOT 6 & 7

With SPOT 6 and SPOT 7 Astrium Geo is introducing a complete new design for the product line of the SPOT series. Thanks to many improvements in both space and ground segments, a special efforts have been made to make this new product line much easier to handle, moving forward the standard of satellite imagery to a new era. read more

SPOTMaps

SPOTMaps SPOTMaps are 2.5m resolution, natural color, ortho-image mosaics created from SPOT 5 multispectral and panchromatic imagery. SPOTMaps is an off-the-shelf, map-accurate, image mosaic derived from the global archive of SPOT 5 imagery. SPOT -5, 10m multispectral and 2.5m panchromatic scenes, acquired simultaneously by the High Resolution Geometric (HRG) instruments. SPOTMaps products now cover more read more

Advanced Land Observing Satellite, ALOS is a Japanese Earth-Observation satellite, developed by JAXA. The objective of the mission is to provide the user community with data of sufficient resolution to be able to generate 1:25,000 scale maps. It is one of the largest Earth observing satellites ever developed. ALOS has a GPS receiver and a read more

SPOT 5

SPOT-5 is the fifth satellite in the SPOT series of CNES (Space Agency of France), placed into orbit by an Ariane launcher. Since the first SPOT satellite was launched in 1986, the SPOT system has sought to provide continuity of service and constantly improved the quality of its products for the global user community.SPOT 5 read more

The Disaster Monitoring Constellation (DMC) consists of Algerian, Nigerian, Turkish, British and Chinese remote sensing satellites constructed by Surrey Satellite Technology Ltd (SSTL) and operated by DMC International Imaging. The main aim of this constellation is disaster relief under the International Charter for Space and Major Disasters. DMC Earth imagery is used for a variety of read more

ASTER

ASTER was launched in 1999 and remained fully operational till 31st March, 2008. Flew at an altitude of 438 miles, ASTER had a 16-day revisit period and follows a sun-synchronous polar orbit. Each ASTER acquisition is approximately 60km by 60km . The ASTER instrument acquires information across the visible and infrared spectrums. Specifically, information is acquired by three separate read more

Landsat ETM+ Gap-Filled

Some of the most popular and valued remote sensing images of the earth are obtained from the Landsat satellites which have been orbiting the earth for over thirty years. Prior to the launch of Landsat 7, two Landsats were in operation – Landsat 4 (operating from 1982 to decommission in June 2001) and Landsat 5 read more

TerraSAR-X

TerraSAR-X is an active matrix, X-band Synthetic Aperture Radar (SAR), capable of acquiring data with a resolution of 1 metre, and in all weather conditions, both during the daytime and at night. TerraSAR-X has a repeat period of 11 days. However, it can observe on both sides of its trajectory, which means it can acquire read more

LandScan

LandScan is global population distribution data having finest resolution available, it represents an ambient population (averaged over 24 hours). Landscan uses spatial data and imagery analysis and a multi-variable dasymetric modeling approach to dis-aggregate census counts within an administrative boundary. LandScan integrates daytime movements and collective travel habits into a single measure to produce a better representation of where people are read more

WorldView-4

WorldView-4 is the latest earth observation satellite operated by DigitalGlobe launched on 11th November 2016 from Vandenberg Air Force Base Space Launch Complex 3E. Worldview-4 provides similar imagery as WorldView-3 with highest resolution of 31cm. It is designed and built by ITT Exelis and Harris having 1.1m in diameter read more

DEM/DTM is a digital model or 3D representation of a terrain's surface. It may be represented as Grid data which includes raster format, interpolated values and have large storage for network analysis or in TIN (Triangulated irregular network) data which includes- read more

Vricon

WorldDEM™

DEM/DTM is a digital model or 3D representation of a terrain's surface and most versatile examples of raster data. It contains locations with elevation which can be used in numerous topographical applications. It may be represented as Grid data which includes raster format, interpolated values and have large storage for network analysis or in TIN (Triangulated Irregular Network) read more

Aerodrome Mapping Database (AMDB)

An AMDB is a spatial database of an airport. An AMDB dataset describes the spatial layout of an aerodrome in terms of features (e.g. runways, taxiways, and parking stands) with geometry described as points, lines or polygons and with attributes (e.g. Surface type) providing further information.AMDBs are produced and exchanged as datasets using global standards and tools of mainstream Geographic Information System (GIS) technology. read more

Drone Mapping

Drone or UAV (Unmanned Aerial Vehicle) is an unmanned aircraft, piloted autonomously and controlled by pilot, equipped with a high resolution camera. In recent history, drone data has been used for military and special operation applications but modern technology is using it to manufacture commercial versions for civilian usage. Now, UAV data can be used for urban planning, road and railway corridor mapping, utilities, agriculture and governance requirements. read more


Assista o vídeo: Czego NIE WIDZISZ patrząc na ZDJĘCIA SATELITARNE? (Outubro 2021).